Sal e Pimenta.

A esclerose sistêmica (ES) é uma doença colagenovascular multisistêmica com inúmeras formas de apresentação. As manifestações cutâneas são muito comuns na ES e entre elas destacam-se o Fenômeno de Raynauld, úlceras digitais e o acometimento da pele propriamente dita. A pele geralmente se mostra, em fases iniciais, edematosa, em especial nas mãos e dedos. Em seguida, costuma tornar-se espessada e dura e, em fases mais avançadas, atrófica. Outros achados incluem perda de pelos e surgimento de placas calcificadas na pele ou subcutâneo (calcinose).

A ES pode cursar com alterações de coloração da pele, tanto na forma de hipo como também hiperpigmentação. Tais distúrbios podem adquirir padrões distintos como, por exemplo, hiperpigmentação generalizada, como aquela observada na Doença de Addison, alterações focais de hiper ou hiperpigmentação sobre áreas de esclerose, e alternâncias de hiper e hipopigmentação a semelhança do que se observa no vitiligo. Vale salientar que as lesões vitiligo-símile associadas a ES costumam poupar boca e mucosa, ao contrário da moléstia original. Entre as alterações cutâneas da ES que se assemelham ao vitiligo, enquadra-se uma anormalidade conhecida como aspecto em sal e pimenta.

O aspecto em sal e pimenta ocorre mais comumente no dorso e em áreas próximas ao couro cabeludo e é muito característico da ES. É mais fácil de ser evidenciado em pessoas de pele escura. Ele consiste de áreas de hipocromia salpicadas por regiões de hipercromia localizadas em regiões perifoliculares (Figura 1).

sal-e-pimenta

Figura 1. Aspecto em sal e pimenta. Retirado da Referência 3

Biópsias de pele realizadas nos locais acometidos revelam pele de aspecto normal, a não ser pela ausência de melanócitos. Essas células, contudo, acumulam-se em torno dos folículos pilosos, mantendo ou mesmo acentuando a coloração escura da pele. Uma das explicações para justificar o fenômeno levanta a possibilidade que os melanócitos desapareçam por agressão imunológica. Entretanto, de algum modo, a rica irrigação sanguínea presente nas regiões foliculares seria capaz de proteger os melanócitos desse tipo de agressão e mesmo atraí-los para lá. Já foi falado em maior aporte de nutrientes e mesmo de maior temperatura local como sendo os elementos protetores ou atrativos para tais melanócitos.

Independente de qual seja a real gênese do fenômeno, diante de um paciente com manchas cutâneas em sal e pimenta a primeira doença a ser pensada sempre será esclerose sistêmica.

Referências

De Villiers WJ, Jordaan HF, Bates W. Systemic sclerosis sine scleroderma presenting with vitiligo-like depigmentation and interstitial pulmonary fibrosis. Clin Exp Dermatol. 1992; 17: 127-31.

Sanchez JL, Vazquez M, Sanchez NP. Vitiligo like macules in systemic scleroderma. Arch Dermatol 1983; 119:129-133.

Vijayaraju D, Prakash G, Yoganandh T, et al. Salt and pepper pigmentation – skin manifestation of systemic sclerosis. J Assoc Physicians India. 2015; 63: 70.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>